Escala da fome: você conhece?


comer intuitivo

Há um tempo falamos sobre como as dietas são falhas na promoção e manutenção da perda de peso a longo prazo.

Parece contraditório várias nutricionistas estarem falando sobre o porquê as dietas não funcionam, mas a ciência da nutrição não é constante, muito menos exata.

Estudos a longo prazo mostram reganho de peso e dificuldade de manutenção do peso perdido com dietas.

Não é incomum que a cada mês revistas, sites, coaches e blogueiros lancem uma nova e "infalível" dieta para perda de peso. O curioso é que mesmo com tantas dietas as pessoas continuam engordando e a obesidade continua sendo um problema de saúde pública!!!

Anos de estudo e observação sobre o aumento da obesidade junto com o aumento de dietas e restrições alimentares, fez com que nós percebêssemos que as dietas restritivas não funcionam, o auto conhecimento sim!

O COMER INTUITIVO é uma abordagem dentro da nutrição que preconiza que nós confiemos no nosso corpo e nos nossos sinais de fome e saciedade para escolher o que vamos comer, quanto e quando.

É baseado em 3 pilares:

1. Permissão incondicional para comer

2. Comer para atender as necessidades fisiológicas e não emocionais

3. Apoiar-se nos sinais de fome e saciedade: O QUE, QUANTO E COMO

O terceiro princípio parece ser fácil, mas quando saímos do campo da teoria e colocamos em prática o reconhecimento de fome e saciedade o desafio é grande.

Isso pois aprendemos desde a infância a não confiar em nós mesmos e em seguir regras externas de alimentação:

- Domingo é dia de sorvete

- Segunda é dia de dieta

- Tem que raspar o prato no almoço e no jantar

- Segunda não pode comer "besteira"

Também aprendemos a comer por recompensa e por razões emocionais:

- Se comer tudo ganha sobremesa

- Senão chorar no médico te dou um bombom

Algumas pessoas tem muita dificuldade em saber o que é fome e relatam que não sentem fome o dia todo! Nesses casos é necessário comer mesmo sem "fome" para não ficar mais de 5 horas sem se alimentar. E, claro, continuar trabalhando o reconhecimento das sensações que te dizem quando há fome física.

Comer sem fome ou comer com muita fome podem gerar exageros. Ambos extremos são prejudiciais. O ideal é comer quando se tem fome, não muita, para que nos permita escolhas alimentares conscientes.

A escala de fome/saciedade, pelo menos no início, nos auxilia a resgatar essa habilidade que perdemos ao longo da vida.

Escala de fome:

1. Faminto, sentindo-se fraco, tonto

2. Muita fome, humor irritado, baixa energia, estomago roncando muito

3. Bastante fome, estomago está começando a fazer ruídos

4. Começando a sentir fome: poderia comer agora

5. Satisfeito: sem fome e não se sente cheio

6. Ligeiramente cheio

7. Ligeiramente desconfortável

8. Sentindo-se muito cheio

9. Muito desconfortável, estomago dói

10. Tão cheio que se sente mal, não consegue ficar sentado, precisa andar ou deitar.

Te convido a fazer um teste:

Durante uma semana atribua uma nota a sua fome antes de todas as refeições e perceba quando você come e se a quantidade e o que se come varia de acordo com a nota atribuída a sua fome antes da refeição.

COM CARINHO,

Isabela

#alemdecalorias #nutriçãocomportamental #educaçãonutricional #comerintuitivo #escaladefome #fomeesaciedade

458 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo